segunda-feira, 23 de maio de 2016

[Resenha] Dama da Meia-Noite - Cassandra Clare



Ficha Técnica:

Livro: Dama da Meia-Noite
Serie:
Volume: #1
Paginas: 554
Autora: Cassandra Clare
Editora: Grupo Editorial Record
Selo: Galera 




  Dama da Meia-Noite, é o primeiro volume da serie Os Artifícios das Trevas, escrito por Cassandra Clare. Aqui estamos de volta no mundo dos caçadores de sombras, mas precisamente 5 anos após a Guerra Maligna, que ocorreu em "Cidade do Fogo Celestial", sendo que agora, temos como protagonistas a família Blacktorn, do Instituto de Los Angeles.

  Emma Catairs, nunca deixou de acreditar que os seus pais não foram mais uma das vitimas de Sebatian, na Guerra Maligna, assim como a Clave, quer que ela acredite, e ela teve que esperar por cinco anos, para ter uma prova real disso, um corpo de um mundano morto com as mesmas marcas deles.
  Só que esse caso irá muito além do que ela imaginava, começando com as marcas sendo de uma escrita desconhecida? E os corpos sendo queimados e molhados? Seria parte de algum ritual? Só que, quem irá dar o pontapé inicial para essa busca será o Povo das Fadas.
  
  Antes não da Paz Fria, isso não teria nenhum problema, mas como as Fadas, se recusaram a fazerem parte dos acordos da Clave, elas foram banidas e proibidas de terem qualquer tipo de contato com caçadores de sombras ou membros do submundo.



  Mas Emma poderia até ignorar as fadas, para não ter problema com a Clave, só que possibilidade de ter pistas sobre o assassino dos seus pais já era tentadora, e quando eles oferecem a liberdade de Mark Blacktorn, que havia sido raptado pela Caçada Selvagem, ela não pensa duas vezes antes de aceitar seus termos.

  Bom, acho melhor falar um pouco sobre a família Blacktorn, né? Eles são os moradores do Instituto de Los Angeles, assim como Emma, sendo que Julian teve cuidar dos seus irmãos mais novos, Dru, Tavvy, Livy e Ty desde os 12 anos, isso sem mencionar do Instituto, mas isso é conversa com spoilers para os comentários. Mas ele ainda tinha dois irmãos mais velhos que possuíam sangue de fada e por isso Helen foi exilada e Mark...

  Agora o que podemos espera? Uma aventura tão boa quanto às de Clary e Jace em Os Instrumentos Mortais? Posso garantir que até melhor, sim, você não leu errado, Julian e Emma, são personagem muito cativantes e divertidos, isso sem mencionar que os dois são Parabatais – outro assunto que vai ser bastante abordado.


 Julian, além de um ótimo caçador de sombras, é um artista incrível, e está sempre cuidando dos seus irmãos, e acaba não tendo muito tempo para viver sua própria vida, e como sempre teve Emma ao seu lado, os dois acabam criando um laço maior que a amizade entre dois parabatais, mas isso seria o amor? Mas não pode ser, visto que é proibido parabatais se apaixonarem, e a maldição para isso é terrível.
  Na historia ainda teremos alguns personagens secundários como Cristina, que está de visita no Instituto, e vai acabar se metendo no meio dessa confusão toda, mais isso não significa que ela não irá trazer mais lá do México, e com nome e sobrenome: Diego Perfeito. Ainda temos Diana, a tutora do Instituto e  Malcon, o auto feiticeiro de Los Angeles.

  “Nossa, a Cassandra Clare, conseguiu dar um nó na minha cabeça ao juntar todas as peças desses assassinatos, mas posso culpa-la? Não, o final é tipo, incrível, como tudo acaba se encaixando e nos deixando tristes e com raiva do desenrolar de tudo, só que isso tudo é substituído por alegria com a aparição de alguns dos nossos personagens preferidos das outras sagas da autora. Bom, mas o que podemos esperar da continuação?”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

 renata massa